Sejam bem vindos...

Se você chegou até aqui é porque algum motivo teve para isso... seja qual for esse motivo, fico feliz de ter você comigo nesse meu cantinho.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Tolerância zero para inutilidades

Batendo novamente na mesma tecla eu digo que não sei por que as pessoas insistem em afirmar que os opostos se atraem. Na verdade nem se atraem e muito menos convivem pacificamente. Ou tal afirmativa é realmente verdadeira e eu sou uma exceção à regra ou então o mundo está totalmente enganado em seus julgamentos. Sem querer ser preconceituosa eu venho aqui afirmar que nada melhor do que conviver com o seu semelhante. Quando diferenças culturais falam mais alto, por muitas vezes chegam a gritar, criar um ambiente vivível é uma tarefa digna de super herói. Como fazer um ser humano, acostumado a apreciar uma bela canção da nossa música popular brasileira, aturar o som de um “pancadão” o dia inteiro? Ou então como mostrar a alguns seres que pente é simplesmente um instrumento criado para pentear o cabelo e não um homem bombado de academia? Assim como a água e o óleo são substâncias que não se misturam, eu posso dizer que seres culturalmente diferentes não se misturam também. São mundos diferentes e tentar adaptar um ao outro é como nadar, nadar e acabar morrendo na praia. É desgaste físico sem a mínima necessidade. É querer acreditar em conto de fados onde, ao final da história, a moça humilde transforma-se na dama da sociedade que fala, no mínimo, uns cinco idiomas. Claro que, como eu disse inicialmente, exceções à regra até existem, até porque com força de vontade tudo é possível. Agora acreditar que nós encontramos exceções a todo o momento é sonhar alto demais. É triste ver como hoje em dia nossa sociedade parece andar pra trás. Meninas preferem ficar “assadinhas” ao invés de colocar um livro debaixo do braço e desenvolverem algo realmente importante: o cérebro. E a grande verdade diante de tal cenário caótico é que quanto mais desenvolvido seu cérebro é, menos tolerante ele se torna. Definitivamente hoje em dia eu não tenho a menor paciência com cultura inútil, ou melhor, com inutilidades, pois chamar tais “coisas” de cultura é até uma ofensa ao significa de tal palavra.


3 comentários:

Thiago de Melo disse...

Seu texto me fez chegar a seguinte conclusão: que eu ainda não estudei o suficiente! :)

jcarv disse...

Nosso cérebro é o melhor brinquedo já criado: nele se encontram todos os segredos, inclusive o da felicidade. Charles Chaplin

Carol disse...

Meu 1º comentário aqui no blog, concordo que os opostos NÃO se atraem, de começo pode até dar certo, mas uma hora as diferenças aparecem, ai ja viu! rsrsr

Parabéns pelo blog!! Nota 10!!

Beijos ;*